ProdutoSegurança de Aplicação

Priorização de vulnerabilidades

Por que realizar a priorização de vulnerabilidades? Durante o processo do desenvolvimento de uma aplicação, é comum percebermos a ineficiência de alguns times tanto ao deixarem de lado esta prática para que as vulnerabilidades sejam trabalhadas, como um desconhecimento e falta de maturidade no assunto. Neste artigo, vamos explicar a importância desta prática e como aplicá-la da forma correta.

OWASP Top 10 na priorização de vulnerabilidades

Hoje podemos contar com um facilitador na hora da identificação desses riscos, é o famoso OWASP Top 10, que em 2021, teve sua mais nova atualização, deixando mais clara a categorização dos 10 principais riscos de uma aplicação. 

Com isso, a priorização de vulnerabilidades pôde se tornar mais eficiente, já que ao invés de se preocupar com todo o tipo de vulnerabilidade possível,  o time usa esta categoria de riscos para lidar, no primeiro momento, com os riscos mais críticos que podem comprometer a aplicação. É importante ressaltarmos, que estar orientado pelo OWASP é importante, mas não devemos nos restringir apenas a esta categoria de riscos.

O mal uso dessa prática pode ser comum. Muitos acreditam que basta solicitar aos desenvolvedores uma aplicação sem as vulnerabilidades classificadas pelo OWASP e tudo estará seguro, mas não é assim que funciona. Existem muitas vulnerabilidades e categorias que podem ser incluídas dentro dessa taxonomia do OWASP. Outro erro comum é tentar associar o Top 10 a qualquer tipo de certificação, sendo que o OWASP não é um padrão para você validar a segurança de um produto.  A forma correta de utilizar o OWASP é simples: utilizar da maneira que foi proposto. Conheça os principais riscos e direcione o seu time para lidar com o mínimo necessário.

Gestão de vulnerabilidades

Realizar a gestão das vulnerabilidades tornará o processo mais eficiente. Entretanto, é importante conhecer a ferramenta que está sendo utilizada e garantir que ela esteja  atendendo todas as necessidades do seu time de desenvolvimento, ou se ainda são utilizados soluções  ultrapassadas, como planilhas.

Quando utilizamos uma maneira não estruturada para o gerenciamento das vulnerabilidades, alguns pontos precisam de maior atenção, além disso, impactos negativos podem ser esperados neste processo. Utilizando o exemplo da planilha: as planilhas até podem auxiliar no controle de algumas informações, mas também, podem trazer uma série de problemas que geram a falta de controle e/ou a perda de informações importantes para a gestão de vulnerabilidades, além de ser um processo totalmente manual. Pense no quanto isso pode se tornar um problema maior durante o desenvolvimento de uma aplicação.

Isso acontece porque ao utilizar soluções que não são pensadas e estruturadas para esse fim, podem correr o risco de não conseguir identificar padrões de vulnerabilidades sempre presentes no código, e esta falta de visão causa impactos negativos, ao invés de melhorar um processo.

Como tornar esse processo mais assertivo e eficiente?

Aqui na Conviso, trabalhamos com desenvolvedores que entendem as necessidades da etapa de desenvolvimento, e conhecem os grandes problemas que podem ser causados por ferramentas ou processos que não foram pensados para este objetivo.

Por isso, contamos com a Conviso Platform que se integra a ferramentas de análise de código, permitindo uma gestão proativa a cada novo deploy realizado. Além disso, por meio do Dedup, ele unifica os resultados de diversas ferramentas, possibilitando uma visão geral das vulnerabilidades e otimizando o tempo do desenvolvimento, priorizando e fornecendo insights para correções mais rápidas e preventivas.

Conheça um pouco mais:

Nessa página da Conviso Platform, estamos exibindo o “Vulrability”, é neste espaço que realizamos o gerenciamento de vulnerabilidades, nele será possível identificar, classificar, corrigir, validar e concluir uma vulnerabilidade reconhecida. 

Manter-se informado sobre o status das análises é muito mais efetivo utilizando o dashboard da Conviso Platform, isso permite ao time manter o processo organizado e mais seguro. Assim, podemos ter acesso a todas as vulnerabilidades identificadas, e com maior visibilidade sobre sua criticidade e quantidade de componentes da aplicação afetados por cada uma delas.

Além disso, nesse painel você conta com um workflow de correção para essas vulnerabilidades, que seria um conjunto de etapas e processos seguidos para identificar, avaliar e corrigir as vulnerabilidades. Esse tipo de workflow é importante porque ajuda a garantir que as vulnerabilidades de software sejam identificadas e corrigidas de maneira eficiente e eficaz.

A Conviso Platform foi totalmente pensada e desenvolvida para que o time tenha total controle sobre as informações, dados, acessos, históricos e estatísticas relacionadas a  suas análises de segurança.

Nova call to action
About author

Articles

Analista de marketing na Conviso, atua com criação e planejamento estratégico de conteúdo. Formada em artes cênicas e apaixonada pela criatividade.
Related posts
Segurança de Aplicação

Operações segundo SAMM: Gestão Operacional em Segurança de Aplicações

Neste artigo, daremos sequência à série de publicações sobre o OWASP SAMM (Software Assurance…
Read more
Segurança de Aplicação

Programa de segurança de aplicações: conheça o AppSec Journey

Primordialmente, a Segurança de Aplicações (AppSec) deve ser integrada em todas as etapas do…
Read more
Segurança de Aplicação

Operações segundo SAMM: Gestão de Ambiente em Segurança de Aplicações

Este artigo faz parte de uma série de publicações feitas com base no projeto SAMM da OWASP, caso…
Read more

Deixe um comentário